quarta-feira, 29 de abril de 2020

COLÔMBIA - DIAS 1, 2 e 3 - Dezembro 2019

Colômbia. Viagem de 22 de dezembro a 3 de Janeiro 2020.
Mais uma fabulosa viagem Aventouras http://aventouras.com.pt/
Voos Lisboa-Madrid-Bogotá
Câmbio à data: 1€ = 3.500 pesos colombianos
Em Bogotá os procedimentos de emigração são pouco complicados. Não se paga visto de entrada nem obriga a nenhum preenchimento de papel. Tudo feito num guichet com passaporte e talão de embarque.
Check in no Hotel Regina, https://hotel-regina.bogota-hotels-co.com/pt/, o mais antigo de Bogotá, estando em funcionamento desde 1921. Sendo domingo, perto do hotel não havia quase nada aberto. Acabámos numa tasquinha simpática a comer umas empanadilhas e a experimentar a cerveja colombiana.

Dia 2 – 23 de dezembro
Pequeno-almoço no hotel. Staff simpatiquíssimo. Procura de cartões SIM locais e primeira incursão pelo Bairro da Candelária. Um senhor já idoso, avisa para o perigo das máquinas fotográficas visíveis. Tomámos nota, as máquinas foram para as mochilas, mas na realidade nunca sentimos nenhuma espécie de ameaça. Houve uma utilização mais intensiva da GoPro, muita fácil de passar despercebida. De tarde, tour com a Diana, uma guia local, super profissional. Fantástica experiência para se perceber a fundo a história desta zona antiga da cidade. Museu Botero, a praça de venda de esmeraldas, todos os edifícios históricos, os murais fantásticos que existem espalhados pelo bairro, as dezenas de lojas que vendem esmeraldas e uma pequena paragem numa loja com um café maravilha. Terminámos no topo de uma das colinas que circunda a cidade, com uma vista fantástica. Aproveitando a boleia, subimos no funicular até Monserrate, a 3.500 metros de altitude. Bogotá está a 2.600 metros, e a sua temperatura não oscila durante o ano, variando entre 8 de mínima e 24 de máxima. Tempo de espera para aquisição de bilhete e subida algo demorada, uma vez que a afluência de locais é grande nesta fase do ano, por causa das iluminações de Natal. Chegada mesmo no lusco-fusco do dia, o que ainda deu para uns bonecos fantásticos de uma vista sobre a cidade, de cortar a respiração. Na igreja que existe no topo havia missa. Nesta parte do mundo sempre muito alegres, com todos os fiéis a cantar e a dançar. Descida, porque de noite, a 3.500 metros e de t-shirt, a temperatura não é muito agradável. Negociação habitual do táxi, e muitas voltas para chegar ao Hotel, dadas as manifestações que ainda vão surgindo por Bogotá. De noite, com milhares de pessoas nesta zona da cidade, fomos à praça Bolivar ver o espetáculo de Natal da cidade, com videomapping, música, acrobacia e fogo-de-artifício. Para jantar devem fazê-lo cedo. Nós tentámos às 21H00 e foi quase por favor que nos atenderam. Fecha tudo muito cedo, certamente pela pouco segurança que se sente existir.
O SIM card custa 40.000 pesos, o teleférico 21.000 pesos por pax. Os táxis são baratos.12.000 pesos.

Dia 3 – 24 de dezembro
Manhã passada a fotografar murais e a descobrir zonas mais recônditas do bairro, em modo self exploration. Com pena nossa a Igreja Nossa Senhora do Carmo continua fechada, e na realidade nunca conseguimos visitar. Nesta zona encontra-se muita polícia. Ainda existem cães polícias com peitorais a dizer “explosivos”. São cães treinados para detetar explosivos em carros armadilhados que até há poucos anos El Chapo (Pablo Escobar) deixava espalhados pela cidade, quando os políticos não lhe agradavam. À porta dos restaurantes speakers, com micro e grandes colunas, começam a informar o que existe para o almoço. Neste bairro existem muitos sem abrigo e pessoal das favelas que sobem pelas encostas encostadas ao mesmo. Acabámos por fazer umas compras num supermercado, para dar uns miminhos aos sem-abrigo. Muitos são refugiados venezuelanos. O almoço, num restaurante local, custa 26.000 pesos para dois pax. Passagem pela Rua 7, a rua do comércio e onde todos tentam ganhar umas moedas. Homens estátua, super heróis, pequenas bancas, músicos, artesanato, de tudo existe. Regresso ao hotel, não sem antes falarmos com um speaker com quem falámos de manhã, que já estava a promover outro restaurante. Simpatiquíssimo. Enquanto aguardamos pelo transfer para voar para Cartagena, no hall do hotel, sente-se um primeiro abanão, surpresa...e de seguida um abanão mais forte e mais longo. Apenas um terramoto de 6,2 na escala de Ritcher. Tudo calmo e pelo que ouvimos mais tarde nas notícias, sem problemas em todo o país. Voo para Cartagena. Clima quente e húmido, bem diferente de Bogotá. Check in no Centro Hotel de Cartagena, http://centro.cartagena-great-hotels.com/pt/, um edifício antigo, muito bem restaurado, mesmo no centro histórico da cidade, onde tudo acontece. Jantar rápido e descanso.























































Sem comentários:

Publicar um comentário